Recuar

Parque Jurássico

 

 

   A    jazida paleontológica de pegadas de dinossários da Pedreira do Galinha, descoberta a 4 de Julho de 1994 por João Carvalho de STEA (Sociedade Torrejana de Espeleologia e Arqueologia), localiza-se na vertente oriental da Serra d’Aire, a cerca de 10 quilómetros de Fátima e a 16 de Torres Novas, na localidade do Bairro (Concelho de Ourém) em pleno Parque Natural das Serras d’Aire e Candeeiros

Esta notável jazida do Jurássico médio (com cerca de 175 milhões de anos de idade) contém não só o mais antigo e o mais longo registo mundial de pegadas saurópodes, como, também, os testemunhos – excepcionalmente bem conservados – de alguns dos maiores animais terrestres jamais existentes.

Os saurópodes eram dinossáurios herbívoros, quadrúpedes, possuidores de cabeça pequena e pescoço e cauda muito longos. O seu corpo maciço era suportado por membros grossos e possantes (semelhantes aos dos elefantes), ostentando, em cada polegar das mãos e dos pés, uma unha afilada ou garra. Os membros posteriores dos sarópodes eram, normalmente, maiores que os anteriores.

As pegadas que podemos observar na jazida da Pedreira do Galinha foram originalmente impressas numa lama calcária, muito fina e de grande plasticidade, depositada em meio marinho marginal e lagunar, muito pouco profundo (1 a 2 metros). Os sedimentos representados nos estratos visíveis na pedreira, depositados durante milhões de anos, foram posteriormente transformados em calcário, originando as espessas camadas de rocha que, até há pouco tempo, eram exploradas na pedreira.

Na jazida, constituída pela superfície rochosa de uma destas camadas calcárias, com cerca de 60.000 m², podem observar-se várias centenas de pegadas organizadas em cerca de duas dezenas de pistas. De entre estas, pela sua grande extensão, excelente estado de conservação e espectacularidade, destaca-se uma com 147 metros de comprimento, que corresponde à mais longa pista de dinossáurio saurópode conhecida no mundo.

Os trilhos são constituídos por impressões das extremidades dos membros anteriores e posteriores (“mãos” e “pés”), reflectindo nitidamente a passagem de grandes animais quadrúpedes. As impressões elípticas de maiores dimensões correspondem às marcas dos pés. Estas são imediatamente seguidas por impressões mais pequenas, em forma de meia-lua, que correspondem às mãos.

As pegadas de dinossáurio são estudadas pela Paleoicnologia, o ramo da Paleontologia que estuda os vestígios de actividade orgânica (galerias, pegadas, ovos fósseis, etc.) dos seres vivos do passado geológico. O estudo paleoicnológico das pegadas fornece valiosas informações sobre a morfologia dos pés e das mãos dos animais que as produziram, o modo de deslocação e a velocidade.

Permite, ainda, determinar certas características anatómicas dos seus produtores, nomeadamente, o comprimento da perna, que é igual a cerca de quatro vezes o comprimento da pegada do pé, e a partir deste, tendo em consideração os esqueletos completos conhecidos, as dimensões aproximadas do animal. Desta forma, foi possível identificar na Pedreira do Galinha a passagem de animais de diferente porte, entre os quais um que poderia atingir cerca de 30 metros de comprimento.

Mediante o estudo das pegadas, é também possível conhecer o comportamento individual e social destes animais. No caso da jazida da Pedreira do Galinha, até ao momento, não foram encontradas evidências de comportamento gregário (deslocação em manadas). O conjunto das pistas sugere que se tratava de indivíduos deslocando-se isoladamente.

Nesta jazida encontram-se alguns dos melhores exemplos de trilhos de saurópodes do mundo. Este facto resulta não apenas da considerável extensão das pistas, mas também da excelente conservação das impressões, o que lhe confere um invulgar valor científico e pedagógico.

................................................................................................................................................

 

HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO

VERÃO

21 MARÇO A 22 SETEMBRO

10H - 12H30 / 14H - 20H

INVERNO

23 SETEMBRO A 20 MARÇO

10H - 12H30 / 14H - 18H

 
clique no mapa para ampliar ENCERRA À 2ª FEIRA
 

 


©01/05/2001 - Paulo Carreira

carreira@iol.pt

Optimizado para 800x600